25 de março de 2014

You Are A Super Mommy!

De passagem pelas redes sociais deparei me com este texto e não posso deixar de o registar já que é mesmo mesmo isto. Ri-me e revi-me em tantas coisas. Como hoje entendo tão melhor as minhas amigas que foram mães antes de mim :-)
Se tivesse que extrair apenas uma frase, seria esta:

Há um velho ditado iídiche (judaico) que diz: “Há um filho perfeito no mundo, e todas as mães o têm.”

Carta às mães mais que perfeitas:

Querida Mãe:

Eu já te vi por aí.
Eu vi-te a gritar com os teus filhos em público, vi-te a ignorá-los no parque, vi-te a levá-los à escola antes de teres tomado banho, e de calças de pijama por baixo do casaco.
Eu vi-te a implorares aos teus filhos, vi-te a suborná-los, e a ameaça-los.
Eu vi-te a gritar feita louca com o teu marido, com a tua mãe, e com o agente de polícia no cruzamento da escola.

Eu já te vi a correr com os miúdos de um lado para o outro, a sujares-te no parque e a praguejares em voz alta depois de bateres com o joelho na esquina da cadeira.
Eu vi-te a partilhares um leite achocolatado com um maníaco de 4 anos. Vi-te a limpar o nariz dos teus filhos com os dedos e a limpa-los na parte de trás das calças de ganga. Vi-te a correr com o teu bebé de 2 anos pendurado na dobra do teu braço, para apanhares a bola que está a fugir para a estrada.

Eu já te vi a ranger os dentes enquanto o teu filho gritava contigo porque não queria ir à aula de piano, à natação, ou ao treino de futebol. Eu vi-te a fechar os olhos e a respirar fundo depois de entornarem um copo de leite inteiro em cima. Vi-te a chorar desesperada enquanto tentavas tirar lápis de cera da tua melhor mala.

Eu já te vi na sala de espera do hospital. Eu vi-te no balcão da farmácia. Vi-te com o teu olhar cansado e assustado.

Eu não sei se tinhas planeado ser mãe ou não.

Se soubeste desde sempre que querias pôr crianças neste mundo, cuidar deles, ou se a maternidade te apareceu de surpresa.

Não sei se correspondeu às tuas espectativas, ou se passaste os primeiros tempos como mãe aterrorizada porque tinhas imaginado que sentirias o “amor materno” doutra forma.

Não sei se tiveste dificuldade em engravidar, se perdeste algum bebé, ou se tiveste algum parto traumático.

Nem sequer sei, se concebeste o teu filho no teu ventre, ou se o acolheste na tua família.

Mas eu conheço-te.

Eu sei que não alcançaste tudo o que querias na vida. Sei que há coisas que nunca soubeste que querias até teres filhos.

Eu sei que, às vezes, pensas que não estás a dar o teu máximo e que podias fazer melhor.

Eu sei que olhas para os teus filhos e te revês neles.

Eu sei que às vezes apetece-te atirar um candeeiro ao teu filho adolescente, e atirar o de 3 anos pela janela.

Eu sei que há noites que, depois de deitar os miúdos, estás tão exausta que só te apetece enrolares-te na cama a chorar.

Eu sei que há dias tão difíceis que só queres que acabem depressa. Depois, na hora de ir para a cama os teus filhos abraçam-te e enchem-te de beijinhos, e dizem o quanto gostam de ti, e de repente querias que o dia durasse para sempre.

Mas nada dura para sempre.

Os dias terminam, e o dia a seguir é um novo desafio. Febres, desgostos amorosos, trabalhos da escola, novos amigos, novos animais de estimação e novas dúvidas. E todos os dias, fazes o que tens de fazer.

Vais trabalhar, ou ficas em casa pões o bebé no sling e ligas o aspirador. Ou vais até ao jardim passear com ele.

Largas tudo para moderar uma discussão sobre de quem é a vez de usar aquelas canetas especiais, para dar um beijinho ao óó da tua filha, ou para conversar sobre qual é a cor do batom que a mãe do Pinóquio usava.

Eu sei que fazes guerras de cocegas em castelos de lençóis, e que sabes de cor as histórias de, pelo menos, 8 livros ilustrados. Eu sei que danças de forma ridícula quando vocês estão sozinhos. E que inventam canções parvas sobre queijo, maus cheiros, ou ervilhas.

Eu sei que uma hora depois de deitares os teus filhos, largas o que estás a fazer e vais cortar as unhas do mais novo. Sei que paras de arrumar a cozinha, porque a tua filha te convidou para a festa de chá que está a fazer com as bonecas, e faz questão que lá estejas.

Eu sei o que custou tratares dos teus filhos quando tiveste aquela virose de 4 dias. Sei que comes os restos dos pratos deles, enquanto arrumas a cozinha.

Eu sei que não contavas com muitas destas coisas. Sei que não antecipaste amar alguém tão intensamente, ou andar tão cansada, ou ser a mãe em que te vieste a tornar.

Pensavas que tinhas tudo planeado. Ou então, estavas perdida e aterrorizada. Ias contratar a Nanny perfeita. Ou ias deixar de trabalhar e aprender tudo sobre crianças.

Sei que não és a mãe perfeita. Por mais que tentes, e por mais que te esforces. Tu nunca serás a mãe perfeita.

E isso, provavelmente, vai perseguir-te. Ou se calhar fizeste as pazes com isso. Ou talvez nem nunca tenha sido um problema.

Eu sei que acreditas que independentemente do que fizeres, poderias ter feito sempre mais.

A realidade é outra.

Não interessa o pouco que fizeste, no fim do dia os teus filhos vão sempre amar-te. Vão continuar a rir para ti, e acreditar que tens poderes mágicos que podes curar quaisquer coisas.

Independentemente do que acontecer no trabalho, na escola, ou num grupo de amigos, tu fazes, sempre, tudo o que está e não está ao teu alcance para garantir que no dia a seguir os teus filhos estarão tão felizes, saudáveis e espertos quanto é possível.

Há um velho ditado iídiche que diz: “Há um filho perfeito no mundo, e todas as mães o têm.”

Feliz ou infelizmente, não há pais perfeitos. Os teus filhos vão crescer determinados a ser diferentes de ti. Vão crescer com a certeza de que não vão pôr os seus filhos nas aulas de piano, de que vão ser mais brandos, ou mais rigorosos, ou ter mais filhos, ou ter menos, ou não ter nenhum.

Um dia os teus filhos vão estar a correr como loucos na igreja, a portar-se pessimamente no restaurante a fazer caretas para o lado, e alguém vai passar e elogiar a tua família.

Uma certeza podes ter: não és perfeita!

E isso é bom. Porque na realidade, nem os teus filhos são perfeitos. E ninguém no mundo se preocupa mais com eles do que tu, ninguém sabe porque é que eles estão a chorar senão tu, ninguém percebe as piadas deles melhor do que tu.

E já que ninguém é perfeito, tens de desempatar com 2 biliões de pessoas que estão em primeiro lugar execuo para concorrer à melhor mãe do mundo.

Parabéns melhor Mãe do Mundo. Tu não és perfeita. És mais que perfeita:

És tão boa mãe como o resto do mundo.



por Lea Grover em Becoming a super mommy
adaptado por Up To Lisbon Kids (fonte do artigo)


20 de março de 2014

Em Busca Da Mochila Perfeita...

...em tamanho pequenino!

Foi um dos pedidos que fizeram na creche para que ele traga o seu caderno de actividades e recados com ele todos os dias: uma mochila só dele :))))

A Ti ajudou na pesquisa - temos o dom da alegria de transformar cada uma destas etapas, compritas, novidades uma causa/actividade familiar, um ACONTECIMENTO - a verdadeira família latina até ao tutano. O problema às vezes é chegar a consenso e neste caso é mesmo um problema porque encontrámos mochilas maravilhosas, criativas, lindas!
Digam lá se não são um amor de queridas:


My First Backpack Puppet - Pottery Barn Kids
Amo esta! Talvez porque adoro as personalizações - Imagino-a com «JB» ou mesmo «João Bernardo»


DIY Backpacks
Acho estas super queridas - o camião é o máximo! Fáceis de fazer em casa! O link tem inclusive instruções


Alligator & Dolphin Backpack
 A*D*O*R*O - o que eu me ri com estas... eu acho que teria amado ter uma assim em miúda! Eles dizem que é um alligator (jacaré) mas também parece um rabo de dinossauro :))))))))))))


Natural
Estas deviam ter uma legenda: less is more! Gosto muito! Não só para ele! Para mim também. Sinceramente acho que fáceis DIY também. A arte da estampagem em tecido não é tão difícil! Acho que vou usar a experiência de projectos antigos e fazer alguma deste género matchy-matchy. 



Mochila Tetris Style
A mais criativa sem dúvida porque encerra nela a estimulação à criatividade. Adoro! Talvez não ainda para o JB porque as peças são pequeninas demais, mas na lista para não a esquecer.


Vamos à lua :-)
Gosto! ... para quem tem um filho que é fascinado pela lua e pelas estrelas aos 20 meses acho que é compreensível :)))))))))


Zoo Backpacks
Não são fofas??? No link tem muitas mais! - adoro o leão e o macaco... e pensando bem o sapo e o passarinho e o pinguim e todos! Também adoro. Ponto.
(nestas horas era fixe ser mãe de muitas... não tinha de escolher! Era uma de cada! :))))))


Principezinho
Gosto tanto desta também! Também é a cara do JB!


Ralph Lauren 

Esta é uma das minha favoritas from all times - mas acho que ficará na lista para mais daqui uns anitos... ou quando surgir alguma boa oportunidade investimos já que nunca passa de moda. 
Agora aproveitaremos a bonecada e até as pirosices :)))

Vamos a votos: Qual gostaram mais?


2º Dia De Creche Do JB

Tenho tido o meu coração apertadinho nestes últimos 2 dias... hoje dei comigo a perguntar a todos os que de mim se aproximaram e que tinham filhos se com eles também era assim ... eu que achava que comigo isto nunca aconteceria!
É que conscientemente eu sei que é óptimo para ele, entendo que se adaptará, sei que está em boas mãos... mas é mais forte que eu!
Parece-me, pelos testemunhos que ouvi, que este feeling em situações idênticas nunca na vida passará... hoje é a creche, amanha é a primária, depois os escuteiros ou acampamentos, as férias com amigos e vem o liceu e a universidade, e viver sozinho e viver acompanhado.... e vai ser sempre assim ... este nervoso miudinho de : «estará bem?»; e um pensamento cheio de uma esperança sem sentido: «não estaria melhor comigo?»

Talvez seja mesmo verdade que estas coisas só as entende quem passa por elas. Quem é pai , quem é mãe porque eu também dizia que havia que ser racional que havia que entender que era assim a vida - os nossos passarinhos pouco a pouco eram cada vez menos nossos (se é que algum dia são nossos)... mas chega a hora da verdade e o coração fica apertadinho na mesma. (ponto!)

Ontem 1º dia foi hilariante ver a carita dele a ver os pimpolhos todos a aparecerem à porta. Soltou uma risada e olhava para mim tipo: De onde é que saíram tantos???
Lá ficou e ficou bem... fugi! Eu e a avó.
Chorou ao adormecer e ao acordar da sestinha, mas comeu e dormiu bem e lá brincou.
Hoje não o fui levar. Foi a avó porque ele de manhã dizia que não queria ir aos meninos. Ficou mas chorou! ... se me disseram que chorou é porque chorou muito :(((( a chamar pela mamã e pela avó, mas também lhe passou, também superou e lá ficou.
Ontem e hoje a educadora manteve me sempre informada. Super querida e atenciosa. Percebendo sem julgamento a aflição de uma mãe coruja de 1ª viagem assumida... As meninas de todos os sectores da instituição simpáticas e eficientes. Acho que foi mesmo uma boa escolha. Uma creche com o luxo da qualidade humana e com condições óptimas para que os pequenos estejam seguros e confortáveis. Com a vantagem de um custo bem inferior aos que se praticam nas cidades e de, ao ser perto de casa a avó poder ir «resgatar» o pequeno mais cedo :))))))))))))) (estou ansiosa pelas noticias....)

Tenho que dizer que muitas vezes quase me arrependo de em determinadas alturas quando andava nas minhas viagens por meio mundo , não me ter organizado para ficar numa cidade grande, mesmo que fosse em Portugal - e continuo a ter janelas de oportunidade e mesmo assim continuo a insistir em estar «em casa». Mas agora com ele,é nestas alturas que, mesmo sabendo que talvez num futuro seja mais conveniente essa mudança, nesta fase em que ele é tão pequeno o estar num meio pequeno é definitivamente bem mais saudável e tenho tido a imensa sorte de ter bons amigos meus e dele - sim , porque ele já tem o seu networking de amigos e compinchas ... acho que maior que o meu! no mínimo mais entusiasta - que nos alegram os dias e que o ajudam a ter, tenho a certeza, uma infância feliz!

Como mãe solteira e empreendedora (inventora e trapalhona também!) seria bem mais difícil sem estas condições pela qualidade humana que me rodeia - sou lhes grata, muito grata! Afinal quem gosta do meu filho gosta de mim e desejo de retorno em dobro tudo aquilo que nos desejarem a nós. :-)
Da família aos amigos que participam na vida do JB de cá e de além mar, do café à creche, da baby sitter ao pediatra, do jardim à floresta, ... não temos o inglês ou os eventos «in» à porta mas com um pouco de esforço e aventura vamos na mesma. Vamos a menos, damos mais valor! ... mas temos tantas outras coisas!
No futuro do JB as cidades (do mundo) vão obrigatoriamente ser pontos de passagem e residência, de trabalho, de estudo e de lazer...  mas o presente passa pela aldeia dos avós e antepassados em toda a sua simplicidade, dando continuidade a uma história que começou com quem ele já não conheceu e que continua com ele e com os outros que dão continuidade às suas famílias, às suas terras.


Tema do próximo post já está escolhido: «Em busca da mochila perfeita... em tamanho pequenino» :))))

17 de março de 2014

Aproveitar Bem O Tempo - Dica Para Os Mais Crescidos

Sempre fui de opinião que um filho não era necessariamente o fim de tudo aquilo que gostamos de fazer nos tempos livres antes deles nascerem... com a realidade aprendi sim que a gestão do tempo é importante para continuarmos a fazer algumas coisas. Principalmente as mais importantes porque em realidade há algumas que deixamos de fazer e não fazem falta nenhuma e outras que até poderiam fazer falta ou dar prazer mas a troca compensa e não trocamos (eu não troco) a falta de tempo ou oportunidade versus o tempo e a oportunidade de estar com o meu «gordo».

Uma das coisas que reduzi drasticamente foi a leitura. Pela falta de tempo sim e algumas vezes pela falta de paciência. Quando há um momento sossegado é para estar sossegada, ou estar com o candy crush (jejejej), ou simplesmente a olhar aparvalhada para a TV (raríssimas vezes... ).  Passei a ter necessidade de de vez em quando parar totalmente a actividade mental :)))))))))
Mas faz me falta... em todos os níveis... é como se tivesse de repente um vazio.... sinto falta a nível pessoal e acho que se reflecte a nível profissional, a nível da minha comunicação... paranóia talvez mas pronto preciso!
Por tudo isto fui à procura dos meus vários e muitos audio livros e também acabei por seleccionar alguns novos nos Estados Unidos - assim é 2 em 1 «leio» e pratico o inglês. Tem mesmo de ser porque infelizmente a nossa oferta de audio livros em Portugal é pequeníssima!!
Sempre ouvi audio livros, mas agora sim saber que existem é uma mais valia. Consigo ler mais, aproveitar o tempo,...

Hoje e no mínimo esta semana... se calhar até ao final do mês este é a minha companhia


blink - The Power of Thinking Without Thinking by Malcolm Gladwell

Yamii Burt´s Bees

Nesta viagem conheci... ou melhor experimentei... aliás experimentámos mais alguns produtos desta marca - Burt´s Bees - e fiquei mesmo mesmo fã.
Acabei por ter curiosidade e ir ler a história o que também achei giro acabando no site por descobrir que não há representante em Portugal :((( mas sim em UK. Resta-me consolar-me e encher a mala sempre que vá aos EUA ou se houver alguma escapadinha a Londres.
Em Inglaterra não sei mas nos EUA são acessíveis em preço. São super hidratantes, sem químicos e um cheirinho delicioso... a mel claro! Tem vários produtos mas a nossa experiência são os que tem para bebé & mamã e o lip balm (que adoro!!)





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mensagens populares